quarta-feira, 18 de junho de 2014

Livros Trilogia - A Seleção

Cada vez fica mais difícil de avaliar um livro já que estou gostando de praticamente todos os últimos que li! Minhas últimas aventuras se passaram em Illéa. A série possui três livros: A Seleção, A Elite e A Escolha. Em A Seleção, somos apresentados a um novo país chamado Illéa, formado após a quarta guerra mundial e localizado no território ocupado atualmente pelos Estados Unidos. Illéa vive sobre o regime monarca e com uma sociedade dividida em um sistema com oito castas, sendo a casta Um a mais rica até a casa Oito, onde encontram-se as pessoas com deficiência, os viciados, os fugitivos e os sem-teto. A casta definia também o tipo de trabalho que poderia ser exercido pelos seus membros, como a protagonista, America Singer, nascida na casta Cinco, trabalha como artista. O começo da história nos apresenta a paixão de America e Aspen Leger, membro da casta Seis, e, devido ao rígido sistema de controle dos número de membros das castas, o namoro acontecia em segredo absoluto. Apesar de ter que aceitar um futuro mais difícil, já que as funções ocupadas pelos membros da sexta casta eram de prestação de serviços, como de governantas, costureiras, motoristas e serventes, America quer um futuro ao lado de Aspen, seu primeiro amor. Esta realidade começa a mudar quando America, devido à insistência de sua mãe e de Aspen, decide participar da Seleção, um "concurso" para eleger a futura princesa de Illéa e, por consequência, esposa do príncipe Maxon. Para todas as 35 participantes escolhidas seria fornecida uma "gratificação" em dinheiro para a família, enquanto a jovem estivesse no palácio. O primeiro livro foca na competição desde a chegada das 35 candidatas escolhidas até o momento em que o príncipe opta por manter no castelo apenas seis delas. Enquanto America passa a conhecer melhor o príncipe e se apaixona por ele, seu antigo amor, Aspen, aparece para trabalhar como soldado no castelo. Em meio a confusão de sentimentos, America não consegue decidir se está na competição para ajudar sua família ou também para ganhar o coração de Maxon. Em A Elite vemos a disputa pelo trono e pelo coração do príncipe ficar cada vez mais acirrada. Dentre os marcos deste livro estão a eliminação da candidata preferida do público e melhor amiga de America, Marlee, uma vez que esta se apaixona por um soldado reais. Ambos são rebaixados a casta Oito e castigados com açoitamento, o que deixa America horrorizada e ainda mais apreensiva com a ideia de algum dia ser princesa. Outro fato importante é que America consegue se tornar próxima da princesa da Itália, que ainda não é uma nação aliada de Illéa, chamando a atenção do rei, principalmente porque os ataques contra o castelo estão aumentando e é necessário que o país se estabilize antes de entrar em uma guerra civil. O livro termina com America, cega de ciúmes, duvidando do amor do príncipe e não conseguindo se desprender de sua relação com Aspen. Já em A Escolha temos várias surpresas: a amizade de America e Celeste, esta última que até então era considerada a mais arrogante das meninas na disputa; a perseguição do rei ao jeito espontâneo e revolucionário de America e a batalha entre os rebeldes do sul e do norte, o que garantiram boas páginas de emoção e uniu o triângulo Aspen-America-Maxon em direção ao mesmo objetivo. Apesar de alguns momentos tristes, achei o final do livro muito adequado e fiquei feliz com as mudanças. Tentei contar a história com o mínimo possível de spoilers, mas garanto, é uma excelente leitura!



segunda-feira, 8 de julho de 2013

Filme O Homem de Aço

O Homem de Aço
No panteão dos super-heróis, Superman é o mais reconhecido e reverenciado personagem de todos os tempos. Clark Kent/Kal-El (Henry Cavill) é um jornalista de vinte e tantos anos que se sente alienado por poderes além da sua imaginação. Transportado anos antes de Krypton, um planeta distante e muito mais avançado, para a Terra, Clark luta com a questão derradeira, 'Por que estou aqui?'. Moldado pelos valores dos seus pais adotivos, Martha (Diane Lane) e Jonathan Kent (Kevin Costner), Clark descobre que ter habilidades extraordinárias significa tomar difíceis decisões. Quando o mundo precisa desesperadamente de estabilidade, uma ameaça ainda maior surge. Clark precisa se tornar o Homem de Aço, para proteger as pessoas que ama e brilhar como o guia para a esperança do mundo - o Superman.
Achei extremamente interessante conhecer de um modo um pouco diferente a história do Superman. Além de ser cheio de efeitos especiais muito bem feitos, o filme também conseguiu abranger toda a vida de Clark Kent e explicar como ele lidou com seus super poderes desde pequeno, a partir dos flashbacks. Achei o filme, em determinadas cenas, triste demais, porém as cenas de ação super trabalhadas deixaram essa tristeza em segundo plano. Muito bom filme, recomendo!

Sinopse: Filmow

domingo, 7 de julho de 2013

Final de temporada Vampire Diaries



Vampire Diaries - 4ª temporada
Uma temporada que começou chatinha pelos dramas de Elena como vampira e a ligação com Damon, mas que após ela desligar sua "humanidade" ficou muito melhor. Só que Elena é assim, exagerada, então depois de um tempo qualquer comportamento extremista dela enjoa. É uma pena a morte do Jeremy, mas pior ainda foi a Bonnie morrer pra ele voltar, super sem graça, que voltasse o Alaric então. É inegável a química entre Klaus e Caroline, e, mesmo gostando muito do Tyler, preferiria que eles ficassem juntos, ainda que eu ache que o filho do Klaus que está por vir possa separar o casal, já que a mãe não é a Caroline. Achei um desperdício usar a cura na Katherine depois de ficarem tanto tempo procurando por ela, mas a luta entre as duas sósias foi muito boa. O mais triste foi o Stefan acabar aprisionado em uma caixa no fundo do mar, sem possibilidades de sair e Silas ficar no lugar dele, mas quem sabe ele não contacta a Bonnie pra ajudá-lo? Gostei do Matt e da Rebekah ficarem juntos, mas bem que ele podia querer virar vampiro. Bom, de modo geral essa série foi nos primeiros episódios mais chatinha e nos últimos ficou difícil de não ver.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Final de temporada Dexter, 90210 e The Following

CUIDADO SPOILERS!

Dexter - 7ª temporada
Como sempre, Dexter mantém a posição de meu serial killer preferido. A série teve suas seis outras temporadas bem escritas e esta não ficou diferente. Em apenas 12 episódios muitos acontecimentos marcantes protagonizaram essa temporada, como a descoberta da Deb sobre quem seu irmão realmente é, o envolvimento de Dexter com Hanna McKay (outra serial killer) e a morte de LaGuerta no final. O que fica evidente é que está cada vez mais difícil para Dexter manter suas aparências e como a série acaba na próxima temporada é esperado que ou ele seja pego ou ele morra. Eu particularmente preferiria que ele fosse capturado por outro serial killer "bonzinho" que julgou ele pelas suas mortes fora do "código". A abordagem de como o amor entre os irmãos prevalece sobre tudo, desde a época do Ice Truck Killer onde Dex matou seu irmão de sangue para defender sua irmã de criação, como nessa temporada Deb cobrindo os erros de Dexter e ele prendendo sua amante para zelar pela segurança de sua irmã. Esperam-se emoções ainda mais fortes para a próxima e última temporada que já começou!


90210 - 5ª temporada
A proposta dessa nova temporada foi um pouco mais agoniante que as outras, mas ainda assim cheia de dramas. A história da Silver buscando qualquer forma para engravidar mesmo sem estar preparada porque ficou com medo do câncer apareceu foi triste demais. Achei muito ruim que no final das contas ela acabou sem o filho e com a notícia de que estava com câncer mesmo. Fiquei mais chateada ainda que ela não ficou junto com o Dixon, que pra mim era o par certo para ela desde o início. Adorei ver Liam e Annie de volta, assim como Navid e Adrianna, que, como ela mesma disse, foi quem esteve do lado dela sempre e é assim que tem que ser. Deveriam ter feito o Max voltar para ficar com a Naomi, mas pelo menos ela terminou junto com alguém de quem gostava. Uma pena esse final que pareceu ter sido feito as pressas, porém pelo menos deu um desfecho aos personagens, com exceção da Silver que não se sabe o desfecho da doença dela. Também senti a falta do Teddy no último episódio que poderia estar pelo menos ao lado da Silver. Fim de temporada razoável, porém cumpriu a tabela.

The Following - 1ª temporada
O FBI acredita existir cerca de 300 assassinos em série atuando nos EUA. O grande temor dos agentes é o de que eles possam formar algum tipo de aliança. Joe Carroll (James Purefoy), ex-professor de literatura, que matou quatorze mulheres, mas escapou do corredor da morte, está determinado a fazer justamente isso. Para detê-lo, a agência pede a consultoria de Ryan Hardy (Kevin Bacon), um ex-agente, responsável pela captura de Joe há nove anos. O problema é que Ryan se afastou do trabalho por ter mergulhado demais na mente de Joe, prejudicando-o física e mentalmente.
Adoro a maioria das séries que envolvem o FBI e investigações mas essa série foi ainda melhor porque também reuniu dois atores que desenvolveram muito bem seus personagens: Kevin Bacon e James Purefoy. A ideia toda do seriado chama muita atenção, de um lado o Ryan que é uma lenda por ter capturado um famoso serial killer, mas que acredita ser portador de um carma terrível onde todos que se aproximam dele morrem e, portanto, como medida de segurança afasta-se da mulher que ama para viver uma vida amargurada e solitária. Do outro lado o excelente professor de literatura, líder de uma seita e completamente surtado, Joe Carroll, que poderia ter um final melhor não fosse sua constante obsessão em derrubar Ryan do jeito perfeito para ele poder criar um livro de sucesso. A última cena com Ryan e Claire sendo esfaqueados e deixando todos angustiados com o que aconteceu garantiu a segunda temporada. Excelente série.

Sinopse The Following: Filmow

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Final de temporada The Walking Dead, Pretty Little Liars e Girls

CUIDADO SPOILERS!



The Walking Dead - 3ª temporada
Pra mim essa foi a pior das 3 temporadas. Não que não tenha sido boa, mas foi relativamente parada e muito concentrada na possível briga entre o governador e o pessoal da prisão pra no fim não ter grandes emoções. Achei demais o que resolveram fazer com o Merle, dele ir lá e tentar tirar a vantagem do governador e o Daryl ter que matá-lo depois, o que fez o Rick e os outros se motivarem mais ainda para luta. A Andrea não precisava ter morrido, ainda que isso possa ser representado como uma punição tanto por escolher Woodbury como por não ter matado o governador quando podia. Tomara que a próxima temporada tenha alguma coisa relacionada a cura dos zumbis ou que eles achem um lugar melhor pra ficar e com mais gente, porque aquelas pessoas que vieram agora morar na prisão vão ser um fardo, afinal de contas o pessoal apto para batalha o governador, em mais um momento insano, já matou.




Pretty Little Liars - 3ª temporada
Mais uma vez não dá pra saber se a Alison está viva ou morta, agora me inclino mais para a opção de quem sim, está viva. O seriado é muito bom, continua sempre cheio de mistérios e colocar a Spencer no sanatório foi uma ideia muito boa e a atriz é quem mais está segurando a série. Os dramas da Aria e do Ezra já estão ficando chatos, nunca decidem se ficam juntos ou voltam e o Toby nunca decide também de que lado está. Dentre outras várias perguntas que surgem durante o seriado, fica a principal: será que PLL vai se tornar um Lost 2, que a gente fica assistindo durante 6 anos pra chegar na última temporada e não ter nem metade das respostas sobre as loucuras que aconteciam, e pior, pra ter um final bem água com açúcar que mais parece ter sido feito as pressas?





Girls - 2ª temporada
A segunda temporada teve um enfoque bastante diferente: na primeira, eram contadas histórias das quatro amigas enquanto na segunda é praticamente tudo sobre a Hanna. Além de ser chato ter apenas um personagem principal nesse caso, porque as outras 3 são personagens bem interessantes, foi extremamente simples o roteiro feito, faltou a originalidade da primeira temporada. Achei o máximo a Shoshana traindo o namorado insuportavelmente chato, a Marnie voltando pro também namorado chato porque precisa de dinheiro - super jogada dela conseguir fazer o Charlie achar que ela gosta dele -, mas senti falta de mais episódios da Jessa.


quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Filmes 28 dias e O Lado Bom da Vida

28 dias

Gwen Cummings é uma escritora que leva sua vida de forma selvagem. Saltando de festa em festa, as coisas começam a mudar quando ela, bêbada, rouba a limusine no meio do casamento de sua irmã e bate com o carro numa casa. Encaminhada para um período de 28 dias numa clínica de reabilitação para dependentes de álcool, Gwen tem que aprender a vida num lugar onde as regras são rígidas e têm que ser cumpridas.

Gostei do filme. A ideia de mostrar que enquanto estamos viciados não conseguimos perceber o quão mal aquilo nos faz é muito bem demonstrada pelo roteiro e também pela interpretação de Sandra Bullock. É um típico filme de sessão da tarde por ser quase o tempo todo tranquilo, mas tem uma bonita lição de vida: quando percebemos algo errado em nós e queremos mudar, ainda que seja um vício, nós conseguimos. Esta é a verdadeira inspiração do filme. Recomendo.


O Lado Bom da Vida

Pat Solitano Jr. perdeu absolutamente tudo na vida: sua casa, o emprego e a esposa. Deprimido, ele vai parar em um sanatório, onde fica internado por oito meses. Ao sair, Pat passa a morar com os pais e está decidido a reconstruir sua vida, o que inclui retomar o casamento, passando por cima de todos os problemas que teve. Entretanto, seu novo plano começa a mudar quando ele conhece Tiffany, uma garota misteriosa que também tem seus problemas.

Completamente louco e completamente envolvente este filme é. A atriz Jennifer Lawrence se superou ao interpretar as variações de humor/personalidade de Tiffany, além da atuação impecável de Bradley Cooper. Mereceu o prêmio de melhor filme independente. A história, além de original, mostra que independente da situação sempre haverá o lado bom da vida, e que coisas boas podem vir de relações inesperadas.

Sinopses: Filmow

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Signo de Sagitário



As pessoas de sagitário são idealistas e aventureiras. Para eles, viver é uma imensa e excitante viagem de aventuras. Os sagitarianos odeiam o tédio, além de se entediarem com facilidade, precisando sempre de algum novo estímulo. Os regidos sob este signo são divertidos e bem humorados, adoram as mudanças, as viagens e a exploração de novos horizontes. Estabilidade e acomodação não são palavras conhecidas pelos sagitarianos, assim como delicadeza, que não é muito o seu forte, pois costumam sentir o que estão dizendo, sem usar meias palavras. Tire de sagitário a possibilidade da aventura e sua curiosidade se transformará facilmente em depressão. Possui também uma grande sabedoria, intuição e mesmo o dom de profecia. Gosta de fazer pregações e ensinar. Tem atração pelas religiões e filosofias, especialmente orientais, e também pelas coisas da lei e da justiça. Entre seus defeitos existe uma certa imprudência, o gosto pelo risco e pelo jogo, o gosto pela aventura e a consciência "elástica", que ele usa para se desculpar de todas suas atitudes. Sendo excessivamente idealista e otimista, não avalia bem o lado prático de suas ações, se decepcionando em seguida e por isso precisa de encorajamento muito mais do que ele deixa transparecer. 


Fonte: Capricho (figura), Terra, Somos todos um